domingo, 12 de março de 2017

A IDEOLOGIA DE GÊNERO E A DESCONSTRUÇÃO DO FEMININO

 | Categoria: Sociedade

A ideologia de gênero e a desconstrução do feminino

Esqueçamos a ideologia de gênero e celebremos as mulheres, sem dialética nem contradição. Precisamos da sua ternura, precisamos que continuem sendo quem sempre foram: mulheres!
Por Padre José Eduardo de Oliveira e Silva — Uma das estratégias do marxismo para destruir a família e, com ela, a sociedade foi interceptar os coletivos feministas para criar conflitos em nome da libertação: em primeiro lugar, libertar a mulher do homem; depois, libertar a mulher da família; e, por último, libertar a mulher da mulher, que é o escopo da ideologia de gênero.
A ideologia de gênero, portanto, alegando descoisificar o feminino que, segundo diz, está machistamente definido, para torná-lo incoisificável, inidentificável, acaba por pulverizar a noção mesma da identidade, tornando-a tão vazia que, por fim, produzirá um silenciamento tão universal e invencível que todas as reivindicações em nome das quais milita serão liquidadas, impossibilitadas, não farão mais o mínimo sentido.
Não há modo mais eficaz de tornar a sociedade passiva e manipulável. De fato, sem identidade, eu me torno o quê? Nada mais senão uma… COISA! E, nessa posição, acontecerá exatamente o contrário do que afirma, por exemplo, Jules Falquet: a abordagem de gênero não libertará a sociedade do capitalismo, como ela espera, mas o fortalecerá e o tornará inexpugnável, pois todos serão coisificados a ponto de serem reduzidos apenas a mão-de-obra, sem família, sem filhos, sem ninguém, mas com muita escravidão tecnocrática.
É por isso que os maiores propagadores da ideologia de gênero são os marxistas e os capitalistas: aqueles financiados por estes.
Caso queiramos libertar as mulheres, a primeira coisa que precisamos fazer é mostrar que são mulheres, que podem ser amadas pelos homens, que podem ser felizes tendo filhos, que podem ser rainhas em casa ao invés de empregadas na empresa, e que podem ser santas, chegando à contemplação, pois o fim do homem não está nessa ideologia chamada dinheiro, mas na aquisição e prática da sabedoria, que se alcança pelo estudo e pela vida espiritual, únicos bens inalienáveis.
Em certo sentido Foucault tem razão, mas contra ele mesmo: o que precisamos fazer é parar de recitar essa dialética, como se ela existisse; parar de viver em função da técnica e da economia; sair desse recital! Precisamos desvestir a camisa-de-força confeccionada para nós por Foucault, Butler, Scott et caterva. É simples como isso. Basta começar a viver o Evangelho, a doutrina católica, e entregar-se à contemplação.
Como essas ideias desconstrucionistas se estruturaram num sistema educacional, o nosso desafio é construir um novo sistema educacional que penetre o existente, desconstruindo a desconstrução. Isso requer estudo, mais que militância. E é aqui que começa nossa tarefa, se quisermos realmente trazer à realidade a verdadeira e necessária libertação.
Quando Simone de Beauvoir disse que o feminino é um "não masculino", e que isso precisaria ser revolucionado, estava apenas invertendo uma ideia bíblica. Segundo as Escrituras, a mulher proveio do homem, que, quando a viu, disse "carne de minha carne e osso dos meus ossos; tu serás chamada de mulher porque foste tirada do homem" (cf. Gn 2, 23). A missão do homem é, sim, reforçar a identidade feminina, amá-la, festejar com a mulher, carregá-la nos braços, elevá-la mais alto que antes…, "assim como Cristo amou a Igreja, e entregou-se a si mesmo, por ela" (Ef 5, 25).
Criando uma dialética aí, Beauvoir não conseguiu elevar a mulher, mas apenas a indefiniu, abrindo espaço que que Butler depois a aniquilasse, vendendo sua "teoria" sob a impostura da afirmação.
Esqueçamos a ideologia de gênero e celebremos as mulheres, sem dialética nem contradição. O mundo, sem elas, seria um quartel. Precisamos da sua ternura, precisamos que continuem sendo quem sempre foram: mulheres! — Abaixo a ideologia de gênero! Viva as mulheres!

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

TRANSFORMANDO O MUNDO

Transformando o mundo através
Violência , Guerra , Engano & Caos (Part 1)
Berit Kjos - 24 set 2012

1913 (janeiro). Presidente Woodrow Wilson escreveu em seu livro, A Nova Liberdade: "Estamos em um novo mundo .... Estamos na presença de uma revolução .... (que) virá de forma pacífica ..." Ele continuou:
"Alguns dos maiores homens dos EUA, no campo do comércio e fabricação [indústria], estão com medo de alguém, estão com medo de alguma coisa. Eles sabem que há um poder em algum lugar tão organizado, tão sutil, tão atento, tão interligado, tão completo, tão penetrante, que é melhor não falar acima de sua respiração quando falarem em condenação a ele ....
"Estamos temendo ao longo do tempo em que o poder combinado das altas finanças seria maior do que o poder do governo ....
"Viemos para ser um dos piores governados, um dos governos mais completamente controlados e dominados, no mundo civilizado, não mais um governo pela opinião livre, não mais um governo por convicção e pelo voto da maioria, mas um governo pela opinião e coação de pequenos grupos de homens dominantes.... Estamos em um novo mundo. ... Estamos na presença de uma revolução .... " [3]
1922 Nove anos depois, o Prefeito de Nova York, John Hylan, deu-nos um vislumbre do amotinado governo sombra atrás de líderes eleitos na Europa, bem como na América. Seu objetivo era uma Nova Ordem Mundial – e a dissolução da velha:
"... A verdadeira ameaça à nossa república é esse governo invisível que, como um polvo gigante, estende sua envergadura viscosa sobre a cidade, o estado e a nação. Como o polvo da vida real, ele opera sob a cobertura do mesmo cria. Ele agarra com seus longos e poderosos tentáculos nossos diretores, nossos corpos legislativos, nossas escolas, nossos tribunais, nossos jornais e cada agência criada para a proteção do público." [4]
1931 . (Novembro). Arnold Toynbee entrega um discurso no Instituto para o Estudo de Assuntos Internacionais, em Copenhague, em que ele explica,
"Estamos no presente trabalhando discretamente com toda a nossa força para arrancar essa força misteriosa chamada soberania das garras dos Estados-nação do mundo. Todo o tempo, negamos com nossos lábios o que estamos fazendo com nossas mãos, Pois impugnar a soberania dos Estados-nação do mundo ainda é uma heresia pela qual um estadista ou homem público pode ... ser banido ou desacreditado. "[5]
1932 . Rockefeller O presidente da Fundação Max Mason, informa seus associados que "As Ciências Sociais se ocuparão da racionalização de controle social ... o controle do comportamento humano. "[6]
1932 . Dr. Ernst Rudin, o diretor nazista do Instituto Kaiser Wilhelm de Psiquiatria (financiado pela [Fundação] Rockefeller) foi nomeado presidente do global Federação de Eugenia. Seus experimentos mais famosos ocorreram em campos de concentração nazistas !
"O movimento chamado para a morte ou a esterilização das pessoas cuja hereditariedade fez-lhes um ônus público. ... Hitler assumiu a Alemanha e os Rockefeller-Rudin aparelho tornou-se uma seção do Estado nazista. O regime nomeado Rudin chefe da Sociedade de Higiene Racial. Rudin e sua equipe ... presidido por Heinrich Himmler, elaborou a lei de esterilização .... Sob os nazistas, a companhia química alemã IG Farben e Rockefellers Standard Oil de Nova Jersey foram efetivamente uma única empresa. ... Em 1940-41, IG Farben construiu uma fábrica gigantesca em Auschwitz, na Polônia, para utilizar a Standard Oil / patentes da IG Farben com concentração de trabalho escravo [no] acampamento Controle da População, Nazistas e ONU !
1933 e 1934 . Em um relatório apresentado na 72ª reunião anual [da] NEA, Willard Givens (mais tarde secretário-executivo da NEA) escreveu:
"A morte de laissez-faire deve ser completamente destruída e todos nós ... deve ser submetido a um elevado grau de controle social .... A função principal da escola é a orientação social do indivíduo. Deve procurar dar ele a compreensão da transição para uma nova ordem social".[8]
1935 . O símbolo maçônico do olho na pirâmide foi oficialmente adicionado ao dólar dos EUA. Henry A. Wallace, Secretário do Presidente Roosevelt da Agricultura (um socialista e teosofista que mais tarde se tornou Roosevelt vice-presidente), explicou:
"Roosevelt, ele olhou para a reprodução colorida do Selo e ficou impressionado com a representação do ' Olho Que Tudo Vê ", uma representação maçônica do Grande Arquiteto do Universo.... Roosevelt, assim como eu, era um Mason grau 32. Ele sugeriu que o Selo fosse colocado na nota de dólar. "Henry A. Wallace."[9]
1937 . John Foster Dulles, Secretário de Estado e ex-presidente da Fundação Rockefeller e do comitê executivo da Conselho Federal de Igrejas (Substituído pela Conselho Nacional de Igrejas) Elogiou o totalitarismo dizendo:
"... O comunismo e o fascismo [estão] mudando as características de populações inteiras .... Há uma subordinação consciente de si a fim de que um grande objetivo possa ser alcançado." [10]
1939 . Em um discurso para YMCA, o futuro secretário de Estado, John Foster Dulles (membro do CFR), disse, "[Deve haver] alguma diluição da soberania, em detrimento imediato das nações que agora possuem a preponderância do poder.... "[11]

Notas:
3. Dennis L. Cuddy, Ph.D., Secret Records Revealed (Oklahoma City: Heartstone Publishing, 1994), páginas 30, 32.
4. The New York Times , 27 de março de 1922. Citado por Dennis L. Cuddy, Ph.D., Cronologia da Educação com cotações Quotable (Pro Fórum da Família, Highland City, FL 33846, 1994), página 15.
5. "A tendência de Assuntos Internacionais Desde a Guerra", de Assuntos Internacionais , Jornal do Instituto Real de Assuntos Internacionais, em novembro de 1931.
6. Dennis L. Cuddy, Ph.D., Cronologia da Educação com cotações Quotable (Pro Fórum da Família, Highland City, FL 33846, 1994); p.18.
7. Dr. Leonard Horowitz, " Controle da População, Nazistas e ONU! " (Tetrahedron, LLC Press, 1996)
8. Dennis L. Cuddy, Ph.D., "Controle de Saúde, Educação e Social Mental", Setembro de 2004, www.crossroad.to/articles2/006/cuddy/mental_health-2.htm
9. Donald Lett Jr., Phoenix Rising: A Ascensão e Queda da República americana, p. 121 (04 de fevereiro de 2008). Fotos aqui: http://greatseal.com/dollar/hawfdr.html
10. John Foster Dulles, ex-presidente da Fundação Rockefeller e do comitê executivo do Conselho Federal de Igrejas, religião na vida , vol. 6, p.197.
11. New York Times , 1939/10/29. Citado por Charlotte Iserbyt, O Dumbing deliberada de Down da América (Ravenna, OH: Imprensa Consciência, 1999).



MONARQUIA e DEMOCRACIA

Aristóteles, ao diferenciar a monarquia do governo democrático, diz que a característica essencial do governo democrático não é apenas o governo de muitos e a da monarquia o governo de um. A verdadeira monarquia é o governo que é dirigido para os valores mais altos como sabedoria, conhecimento e contemplação. A democracia é o governo típico daqueles povos que não conseguem se dirigir para as coisas mais altas, daqueles povos que basicamente querem a liberdade e que essa liberdade não está atrelada a uma grande busca de sabedoria, de contemplação e de virtude. E é exatamente por isto que a democracia é o governo de muitos, porque a maioria das pessoas não busca esses valores, elas buscam apenas a liberdade, elas não querem ser oprimidas, querem a liberdade de poder fazer o que bem entenderem. Só uma minoria que busca a virtude, e muito menos os que buscam a contemplação. Então, o governo de um governando pelo bem de todos, é um governo que só poderia surgir onde existe grande virtude e sabedoria [não é o caso do Brasil] e o governo democrático é o governo coerente com apenas o ideal de liberdade, nada mais do que isso [esse é o caso do Brasil].

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

JORNALISMO MENTIROSO DA GRANDE MÍDIA

FAKE NEWS! DETONANDO MAIS UMA VEZ O JORNALISMO MENTIROSO DA GRANDE MÍDIA.


Os jornalistas da grande mídia - e não escapa ninguém - continuam praticando impunemente o crime de falsear a verdade. E isto é terrível principalmente quando esse ato criminoso é cometido por meio da televisão que ainda é o veículo que forma praticamente a totalidade da opinião pública. E isso vai de letrados (na maioria também ignorantes e desinformados) aos analfabetos e dos ditos "escolarizados" que são os analfabetos funcionais.

Com a universalização da televisão esse veículo tornou-se o formador da opinião pública universal. Como todos os veículos de mídia são dominados há muitos anos pelos esquerdistas todo o noticiário - não escapa nada - é transmitido numa narrativa que atende o interesse do movimento neocomunista internacional. Quando o fato contradiz a narrativa esquerdista ele é edulcorado, revestido de informações adjetivas e contraditórias levando o telespectador a fazer um juízo que não corresponde à verdade do fato em foco. Não é à toa que se ouve em qualquer bate-papo a afirmativa: "Esse Trump é um maluco".

Compreendo que é realmente difícil para quem não detém informações abrangentes fazer um juízo diferente dos fatos apresentados por gente da Globo News e do Jornal Nacional da Rede Globo, que dominam de ponta a ponta o Brasil.

O restante da grande mídia, como jornais, revistas e seus sites faz mais do mesmo. Não fosse a internet, redes sociais e blogs e sites independentes a maioria dos terráqueos já teria voltado a andar de quatro, repetindo sem parar: "Donald Trump é um maluco".

Por tudo isso é que faço esta postagem que contem este vídeo acima do conhecido analista político internacional Paul Joseph Watson. Quem procura os canais informativos fora da grande mídia já o conhece. 
Neste vídeo Paul Watson detona a torrente de Fake News, notícias falsas ou ainda verídicas porém manipuladas pelos trastes esquerdistas das redações. Eu os conheço muito bem. Tenho mais de 45 anos de jornalismo. 

Se você apenas vê a televisão e sites da grande mídia você provavelmente acredita que Trump proibiu todos os muçulmanos de entrarem nos Estados Unidos. Pra variar, essa não é a verdade e neste seu mais novo vídeo, Paul Joseph Watson expõe toda a hipocrisia.

Trata-se na verdade de uma proibição temporária ligada a lista de países criada pela administração Obama. Watson esmiuça os detalhes de hipocrisia esquerdista que propositalmente ignora que Obama fez a mesma coisa pelo dobro do tempo. Muitas celebridades com verified accounts no Twitter compartilharam informações falsas sobre o banimento temporário apelidado de "#muslinban". Artistas, jornalistas e até políticos usam o seu prestígio para "validar" Fake News.
Vale a pena compartilhar este vídeo com seus amigos e parentes e ajudar, mais uma vez, a desmascarar a grande mídia e sua agenda ideológica. É mais um excelente trabalho dos Tradutores de Direita.
O Presidente Donald Trump em ação deixa a camorra globalista enlouquecida. #GoTrump
AGENDA DO TERROR
Deve-se acrescentar que esta agenda ideológica atende os interesses do "globalismo" do qual tenho falado em inúmeros artigos aqui no blog. De forma ligeira pode-se dizer que o globalismo, que reúne os establishment em nível global, postula uma espécie de governo mundial. Daí a razão da criação de "blocos econômicos", como a União Europeia, por exemplo, integrada por 28 países. Esse países já nem podem mais, por exemplo, firmar acordos de livre comércio com países amigos. Têm de pedir licença para os apaniguados de Angela Merkel em Bruxelas.
No final das contas o globalismo pretende liquidar com o denominado Estado-Nação, rasgando as fronteiras e criando o que chamo de "estados-bundalelês", qualquer um pode entrar e fazer o que bem entende, inclusive matar a população, como já vem ocorrendo na Europa. Os tais "globalistas" terceirizaram o serviço de aniquilação de qualquer nacionalismo por meio do terror islâmico.
Sabe-se que a União Européia financia várias pesquisas, inclusive por meio das universidades, focadas em temas do seu interesse, ou seja, o desgaste e a destruição de todos os valores morais, éticos e religiosos que deram vida à civilização ocidental.
Tudo isso que acabei de alinhar neste post, ou seja o projeto globalista, está pela primeira vez sendo contestado não apenas por um jornalista como eu, mas pelo Presidente dos Estados Unidos da América, Mr. Donald Trump, cuja virtude principal é detonar a grande mídia. Está pouco se lixando pelo que diz a canalhada da CNN, Globo News, The New York Times, Washington Post e demais produtores de Fake News.
Em linhas gerais é isto que está rolando. E é por isso que enfoco o tema de forma recorrente. O vídeo acima, por sua vez, prova de forma total e evidente como os jornalistas da grande mídia mentem, distorcem informações sem a menor cerimônia. Isso é crime! Tem de ser punido!
Esses trastes haverão dentro em breve de ser acossados nas ruas, nos aeroportos, escorraçados, como têm sido, por exemplo, os políticos vagabundos aqui no Brasil. A bola da vez será esses penas alugadas do George Soros, esses donos de ONGs que mamam dinheiro público daqui e via União Européia, ONU e organizações assemelhadas. Serão logo, logo alvo de cusparadas em suas caras debochadas. Não poderão mais viajar em aviões de carreira. Não poderão andar nas ruas, nos shoppings. Serão todos execrados. Anotem aí.





sábado, 21 de janeiro de 2017

MEMÓRIA CURTA E "FÉ PÚBLICA" NA MÍDIA AMESTRADA !!!

Parece que os brasileiros sofrem de memória curta na forma aguda.

Logicamente que morte prematura de Zavascki foi uma perda para seus filhos, família, amigos e companheiros do STF e de ideologia. Óbvio que me condoo com a dor alheia, mas sei exatamente diferenciar a perda humana da perda institucional.

Teori Zavascki na minha humilde opinião, não passará para a história como um herói brasileiro ou como aquele que tentou moralizar a República através de seu ofício.

Zavascki era um homem alinhado com a esquerda e seus ideais. Foi um ministro que não poupou esforços para dar uma interpretação forçosamente benevolente quando os réus partilhavam da sua mesma orientação político-ideológica.

Lembram dos famosos Embargos Infringentes na ação penal do Mensalão ? 
__Lá estava ele, firme e forte na interpretação pró-quadrilha petista.


Lembram da ação para garantir a quase impunidade para José Dirceu e Delúbio Soares?
__Lá estava ele a postos para entender o comportamento destes criminosos e apressar suas saídas da cadeia.


Lembram do caso do áudio escandaloso envolvendo o ex-presidente Lula e sua criatura Dilma Rousseff?
__Ele foi uma voz destoante para censurar a conduta irrepreensível do juiz Moro e sua atuação profissional, a fim de proteger a dupla das garras da justiça.


Lembram do processo, em que poderia ter culminado com a prisão de Luiz Inácio Lula da Silva?
__Ele fez questão de abortar esta possibilidade e garantir que o acusado respondesse pelos crimes em completa liberdade, apesar das inúmeras e graves acusações existentes e que autorizariam uma eventual prisão preventiva.


Ele acertou também! Deu votos importantes e relevantes, mas muito longe de ser um expoente impar da nossa magistratura.

De uma forma geral, ele, Teori, foi um juiz que abraçou a causa petista e em razão dela foi escolhido para atuar. Fez questão de ser discreto, mas não o suficiente para esconder suas tendências ideológicas, que muitas vezes se viram refletidas em suas decisões.

Portanto, muita hipocrisia e amnésia neste momento tentar fazer dele um herói da República, um magistrado perfeito e que apenas atendia aos interesses do país e da justiça, quando na verdade tinha nítidas preferências partidárias e se deixou influenciar por elas.

Respeito a dor de seus entes queridos, mas não compactuo com a comoção histérica da morte de um herói inexistente. Tribunais não são locais indicados para a política.
(Desconheço o autor, mas concordo em gênero, número e grau - a.o.)

JOÃO DARCY ESCREVEU:
Não repetirei o que já disse a respeito do Ministro desaparecido, porque para defunto não há prazo para defesa e ou de contestação. 
A história o julgará.

Acho uma grande estultice instar movimento visando à indicação do Juiz SÉRGIO MORO (nossa grande referência de conhecimento jurídico e de coragem para exercé-lo e aplicá-lo) para o posto de Ministro do SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Será o mesmo que esfacelar com o LAVA-JATO para beneficiar bandidos.
Até mesmo ele, lá, estará impedido de julgar seus Atos praticados aqui.
Deixemô-lo onde está em favor da Pátria comum.